Mais sobre o vírus

1. CORONAVÍRUS

O que é a COVID-19?

COVID-19 é a doença resultante da infeção por uma estirpe de coronavírus, a SARS-CoV2, relacionado com os vírus do resfriado comum. Os indivíduos afetados apresentam sintomas com gravidade variável, muito semelhantes aos da gripe, como febre, tosse e dificuldade respiratória. Podem ainda apresentar outros sintomas como dores musculares e articulares, congestão nasal, dores de cabeça, sintomas gastro-intestinais como vómitos e diarreia, perda do olfacto e do paladar. Os sintomas podem surgir cerca de 2-14 dias após a infeção. Em alguns casos, as pessoas com infeção podem não apresentar quaisquer sintomas.

Porquê o nome COVID-19?

Esta designação foi atribuída pela  Organização Mundial da Saúde e resulta das palavras “Corona”, “Vírus” e “Doença”, com indicação do ano em que surgiu (2019).

O COVID-19 é a mesma coisa que SARS?

Não. O vírus que causa COVID-19 e o que causou a epidemia de SARS (Síndrome Respiratório Agudo Severo) em 2003 são geneticamente semelhantes, mas a doença que causam é bastante diferente. O SARS tinha uma taxa de letalidade muito mais elevada, mas era muito menos infeccioso do que o vírus da COVID-19.

O que são os coronavírus?

Na origem da COVID-19 está um vírus da família dos coronavírus. Os coronavírus são uma família de vírus respiratórios que afetam humanos e animais. Existem diversos tipos:

  • Os alfa-coronavírus, que podem ser responsáveis pelo aparecimento de bronquite, bronquiolite ou quadros de constipação. Estes eram os mais conhecidos até há relativamente pouco tempo.
  • Em 2002-2003, foi detetado pela primeira vez na China um beta-coronavírus que causava doença em humanos, o SARS-CoV-1, responsável pela doença SARS (síndrome respiratória aguda severa).
  • Outro beta-coronavírus foi detetado em 2012, causando a Síndrome Respiratória do Médio Oriente ou MERS.
  • A pandemia atual é causada por uma estirpe diferente do vírus detetado em 2002-2003, designando-se SARS-CoV2.  

Como surgiu e como se espalhou o SARS-CoV2?

O primeiro caso reportado ocorreu a 17 de novembro de 2019 em Wuhan, a capital da província de Hubei na China.  Este vírus surgiu naturalmente e teve origem animal, dando origem a uma zoonose (doença infecciosa transmitida de uma espécie de animal para os humanos). É provável que o vírus tenha tido origem numa mutação dos coronavírus de morcegos e que tenha tido um hospedeiro intermediário  como o pangolim.  De facto, os primeiros casos confirmados tiveram ligações ao Mercado Grossista de Frutos do Mar de Wuhan, onde se vendem diversas espécies de animais. No entanto, em dezembro de 2019, a transmissão deste vírus já ocorria exclusivamente entre humanos. A 11 de março de 2020, a OMS declarou o surto de infeção por SARS-CoV2 uma pandemia.

2. PANDEMIA E  MODO DE TRANSMISSÃO

Qual a diferença entre uma epidemia e pandemia?

Uma epidemia é quando uma doença ocorre com frequência invulgar numa determinada região e por um período limitado. Por outro lado, uma pandemia é uma epidemia que se alastra por vários países simultaneamente e que afeta um grande número de indivíduos. 

Até 31 de março de 2020, pelo menos 826 222 casos foram confirmados em mais de 200 países e territórios, com o maior número de casos a verificar-se na Europa, na China continental, nos Estados Unidos, no Irão e na Coreia do Sul.

Como se transmite o coronavírus?

O coronavírus é facilmente transmissível por uma pessoa infetada através de:

  • Gotículas respiratórias quando a pessoa tosse, espirra ou fala;
  • Contacto direto próximo, através de  simples aperto de mão, por exemplo;
  • Contacto com superfícies contaminadas;
  • Transmissão vertical (da mãe para o seu feto no útero ou recém-nascido durante o parto), raramente. 

Em que é que uma infeção por coronavírus difere de um caso de gripe?

  • A COVID-19 não é igual à gripe sazonal; é considerada uma gripe pandémica, e de muito maior gravidade e com taxa de mortalidade mais elevada.
  • Os  coronavírus sobrevivem nos objetos e superfícies durante várias horas a dias, dependendo do tipo de superfície; enquanto que o vírus da gripe sazonal apenas sobrevive durante algumas horas.

É possível uma pessoa assintomática transmitir o coronavírus SARS-Cov-2?

O período de incubação refere-se ao número de dias entre a exposição a um organismo patogénico – neste caso, um vírus – e o início dos sinais e sintomas da doença. Estudos demonstram que o período de incubação do coronavírus será, em média, de 5-7 dias. No entanto, há casos em que só surgem sintomas passados 14 dias da infeção. Portanto é possível transmitir o vírus mesmo estando assintomático, apesar do risco de transmissão ser mais baixo. É por esta razão que a Direção Geral de Saúde e múltiplas outras organizações internacionais decretaram 14 dias de quarentena para pessoas que tenham estado em contacto com casos positivos.

É importante seguir os conselhos das Autoridades de Saúde. No caso de Portugal, o site da Direção-Geral de Saúde disponibiliza vários documentos que esclarecem os comportamentos que  cada um deve adotar nos diferentes âmbitos. Existe também um post no portal saudemental.pt com mais detalhes acerca dos comportamentos a adotar em isolamento.

Onde posso encontrar informação fidedigna acerca do COVID-19?